Dica de Leitura 21 – A Estratégia do Oceano Azul – W. Chan Kim e Renée Mauborgne

Posted on by 0 comment image

 

Dica de Leitura 21 – A Estratégia do Oceano Azul – W. Chan Kim e Renée Mauborgne
aestratégiadooceanoazul_coachingmais50.com.brA Estratégia do Oceano Azul: Como Criar Novos Mercados e Tornar a Concorrência Irrelevante –  O livro apresenta uma nova maneira de pensar sobre estratégia, resultando em uma criação de novos espaços (o oceano azul) e uma separação da concorrência (o oceano vermelho). Os autores estudaram 150 ganhadores e perdedores em 30 indústrias diferentes e viram que explicações tradicionais não explicavam o método dos ganhadores. O que eles acharam é que empresas que criam novos nichos, fazendo da concorrência um fator irrelevante, encontram um outro caminho para o crescimento. O livro ensina como colocar em prática a estratégia: “Não concorra com a concorrência – torne-a irrelevante”.

Esta é uma das máximas mais importantes deste livro, conhecida como “Oceano Azul” e defende que a solução para enfrentar a forte concorrência não é competir no ambiente que os outros intitulam de “Oceano Vermelho”. Neste oceano, as empresas concorrem pelas vantagens competitivas, pela conquista de quota de mercado e lutam por se diferenciar. Os autores defendem que, quando seguem esta estratégia, as empresas terão cada vez menos possibilidades de conseguir um crescimento lucrativo no futuro.

Com base num estudo de 150 casos que abrange os últimos cem anos e mais de 30 setores, os dois autores defendem que as empresas que serão líderes no amanhã irão conquistar o sucesso não porque concorrem com os seus concorrentes, mas porque criam Oceanos Azuis de crescimento no mercado. Esta abordagem, denominada “inovação com valor”, cria alterações no valor quer ao nível das empresas quer dos seus compradores, fazendo com que a concorrência se torne obsoleta.

Uma estratégia revolucionária que tem por base seis princípios que todas as empresas podem facilmente formular e implementar com sucesso. Estes princípios demonstram como reconstruir as fronteiras do mercado, se concentrar o cenário global, alcançar para além da procura existente, conseguir a sequência estratégica certa, ultrapassar obstáculos organizacionais e incluir a implementação na estratégia. Um novo paradigma do pensamento sobre a Gestão, essencial para todos os que querem que os seus negócios cresçam e se fortaleçam no futuro.

O resultado dessa “batalha” é um “oceano vermelho”, nascido da luta sangrenta entre rivais por um potencial de lucros muitas vezes decrescente. Esse é o problema, segundo W. Chan Kim e Renée Mauborgne, autores de A Estratégia do Oceano Azul. Eles ensinam: “Não concorra com os rivais — torne-os irrelevantes”.

Kim e Mauborgne também avisam: é bem pequena a probabilidade de uma estratégia convencional se transformar em crescimento lucrativo no futuro. Aliás, bons e maus exemplos disso na Europa, na Ásia e nos Estados Unidos estão no livro. Em síntese: ao invés da luta sangrenta no “oceano vermelho” da competição nos moldes conhecidos, deve-se criar estratégias inovadoras para desbravar “oceanos azuis” de espaços inexplorados de mercado.

Muitas empresas acabaram se perpetuando não pela continuidade de suas operações, mas depois de passarem por mudanças e rupturas significativas — Du Pont, Swatch, General Electric, Accor são empresas do Oceano Azul que reinventaram seus setores, criando valor único para seus clientes e, conseqüentemente, valor sustentável para seus acionistas, empregados, fornecedores e para a sociedade”, comenta — no Prefácio à Edição Brasileira — André Ribeiro Coutinho, diretor e um dos consultores da Symnetics, que realizou a revisão técnica dessa tradução. Ele cita como exemplos de empresas nacionais que realizaram “inovações de valor” as Casas Bahia (“pela idéia genial de um varejo para atender consumidores das classes C e D”) e a Gol Linhas Aéreas (“que vem transformando o setor de aviação brasileira”)..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.