Em Busca de Sentido

24/01/2015 | by Coaching+50 |

No Artigo abaixo fazemos uma referência ao recomendado livro de Viktor Frankl: Em Busca de Sentido”  e a importância desse tema em qualquer fase da vida, em especial ao depararmo-nos com o Envelhecimento e a finitude da Vida, onde tudo torna-se mais urgente!

Viktor Frankl,  um psiquiatra alemão que passou cinco anos em um campo de concentração nazista, sempre teve grande interesse pelo comportamento humano, mesmo durante os anos vividos no campo de concentração, relatou em seu livro “Em Busca de Sentido”, que com o passar do tempo observou que entre seus companheiros de prisão, aqueles que tinham uma esperança e davam um significado a suas vidas predominavam entre os sobreviventes da selvageria e da fome. No entanto, o prisioneiro que perdia a fé no futuro estava condenado a definhar e sua morte era eminente, pois  não encontrava mais sentido em continuar vivendo.

Frankl nos ensinou que tudo que temos na vida pode ser tirado de nós exceto uma coisa – a nossa liberdade de escolher como responderemos  à situação. É isso que determina a qualidade de vida que vivemos, como nos relacionamos com essas realidades, que tipo de significado lhes atribuímos, que tipo de atitude associamos a elas, que estado de espirito permitimos desencadear. A sobrevivência dele de seus companheiros se deram principalmente pela capacidade de manterem-se ligados, cada um de forma singular, a sentimentos que lhes davam capacidade de transcender através  do sofrimento os limites do campo de concentração, numa atitude intencional e livremente aceita rumo a um valor mais alto e capaz de dar sentido a todo aquele infortúnio. Assim, a resposta ao sentido da vida é mobilizadora de forças vitais, enquanto a ausência de sentido é capaz de levar o indivíduo a uma condição muito mais propensa a enfermidades e ao sofrimento.

Para Frankl, o homem não apenas reage de forma passiva às suas questões internas e externas, mas sim responde ativamente a estas. Quando escolhe dar uma resposta à vida, torna-se responsável pelo que vai ser e/ou acontecer no momento seguinte (Autorresponsabilidade).

A liberdade e a responsabilidade constituem as duas características essenciais dos humanos.

Viktor Frankl foi o fundador da escola denominada Logoterapia. O termo “logos” que significa sentido, e o termo terapia significa cura ou cuidado. Sendo assim, a cura efetivada através do sentido da existência humana bem como da busca de significado pelo próprio homem à sua vida. Para esta escola teórica, a busca de sentido na vida da pessoa é a principal força motivadora do ser humano. A Logoterapia é a terapia centrada no sentido, vê o homem como um ser orientado para o sentido, no qual a motivação básica do comportamento é uma busca pelo sentido para sua vida; destacando que a procura pela significação é única e singular entre cada indivíduo e até entre cada momento, em um mesmo indivíduo: Cada pessoa é questionada pela vida; e ela somente pode responder à vida respondendo por sua própria vida; à vida ela somente pode responder sendo responsável. A Logoterapia prega que o ser humano possui uma vontade de sentido e a sua principal preocupação é estabelecer  e perseguir um objetivo e é esta busca que é capaz de dar sentido à sua vida.

A aproximação da morte, segundo Frankl, o termo latino finis possui dois significados: fim e meta. O homem que se depara com a imprevisibilidade do final da vida, e que se vê diante de circunstância ameaçadora à integridade, geralmente se mobiliza e se adapta para uma possibilidade de continuar vivendo. Assim, cria metas e projetos futuros, para que internamente viva aquilo que ainda não pôde ser vivido. Antecipa-se e visualiza um futuro, podendo mirar a vida de maneira otimista. Isto seria o entendimento do projeto de vida ou da busca de um sentido para à vida, que está relacionada e figurada na aproximação do fim. Tomar consciência da finitude da vida não pode significar acelerar a hora da morte. Mas, para que a morte nos surpreenda vivos, investimentos afetivos devem ser possíveis e projetos realizáveis.

O processo de envelhecimento, característico de qualquer ser humano, gera uma série de mobilizações, trazendo questionamentos sobre aquilo que o espera. Lidar com a possibilidade de aproximação da morte faz com que o idoso recorra às vivências passadas, de maneira que esta sustente, juntamente com o que vive no presente, um projeto para o futuro.

Diante destas recordações, pode rever significados e buscar novas vivências, que ainda podem ser vividas. Torna-se importante valorizar as potencialidades e as possibilidades que lhe são disponíveis, acometendo o sentido de continuar vivendo.                                                                                       

Em busca de Sentido_coachingmais50.com.brFRANKL, V. E. Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. 33.ed. Petrópolis, RJ: Vozes ( disponível em PDF na aba Livros em PDF)