Category Archives: Mulheres+50

Novo Site/Blog Bette Maria+50

Posted on by 0 comment image

Amigos, o Site Coaching+50está sendo desativado e em seu lugar entra o Site/Blog Bette Maria+50: www.bettemaria.com.br com o intuito de empoderar as mulheres de mais 50 anos, para que elas construam uma Nova História, com saúde, autoconhecimento, qualidade de vida e sejam finalmente protagonistas da vida delas.

capa facebook Bette Maria+50

Estou te esperando lá, ok?

Site/Blog: www.bettemaria.com.br

Facebook: https://www.facebook.com/bettemariamais50/

Se precisar falar comigo: contato@bettemaria.com.br

Com carinho, Bette Maria, a Master Coach das Mulheres+50

Category: Mulheres+50

Que tal acompanhar a “transformação” de Bette Maria?

Posted on by 1 comment image

Que tal acompanhar a “transformação” de Bette Maria?

Bette Maria

Olá Amigas+50, hoje estou celebrando os 11 meses da criação do Coaching+50!

Foram meses muito intensos, nos quais confirmei minha Missão de ajudar as pessoas de +50 anos a terem Longevidade com Qualidade de Vida, Prazer e Alegria de Viver!

Além do contato quase que diário, através das postagens no site/blog (www.coachingmais50.com.br), na página do facebook do Coaching+50 (https://www.facebook.com/Coachingmais50/), e na  Comunidade super animada que criei: a Jovens+50 (https://www.facebook.com/groups/jovensmais50/), que já conta com quase 3.200 participantes, depois de poucos meses de existência.

Idealizei o Programa Você+50: De Bem com a Vida, voltado para ambos os sexos, com o intuito de uma preparação em todas as áreas da vida, e com a ajuda dos parceiros, Coach Clovis Dattoli e Coach Karla Raposo, demos alguns workshops apenas em Brasília e que deverão estar de volta em 2016. S e quiser conhecer a página no facebook:  (https://www.facebook.com/programavocemais50/).

Mas no inicio de dezembro senti que as Mulheres+50 precisam mais de minha ajuda do que os homens+50 e criei a fanpage: Mulher+50: Reinvente-se e Transforme-se na sua Melhor Versão: (https://www.facebook.com/Mulher50-Reinvente-se-e-Transforme-se-na-Sua-Melhor-Vers%C3%A3o-1650316115242032/).

Eu  sei como as Mulheres+50 pensam, o que sentem, vivi e vivo no dia a dia muitas coisas idênticas à realidade delas, conheço as dores de muitas delas de ter tido uma infância traumática com problemas com pai, conheço os problemas de relacionamento afetivos, os  distúrbios enfrentados na menopausa, a saudade do filhos adultos que saem da casa da mãe, sei como é difícil a decisão de se aposentar quando tiver tempo, a indecisão com o que fará depois de aposentada, se quer uma nova carreira, o medo de não conquistar os sonhos ainda não realizados, a frustração de não estar vivendo sua Missão, enfim sinto que minha realização agora será ajudar o maior número possível de mulheres+50 a serem mais felizes.

Eu vivi nos últimos 2 anos uma verdadeira “reforma” física e da alma, passei pela metáfora da águia*(abaixo), que alguns até dizem que não é real, mas o que importa para mim foi a sensação de que realmente eu “paguei o preço” da renovação na metade da minha vida e renasci pronta para viver bem pelas próximas décadas.

Quando comecei a traçar minhas metas na semana passada, veio a ideia de compartilhar com vocês como eu traço minhas metas, de modo neurologicamente correto,  facilitando para meu cérebro direcionar minhas ações em direção aos meus sonhos, se quiser acessar o PDF: http://blog.coachingmais50.com.br/cadastro-inicial

Ocorre que ao escrever minhas metas, percebi que muitas delas, como por exemplo, emagrecer 10 quilos, me preparar para começar a participar de corridas de rua e uma meia maratona até o final de 2016, aprender finalmente a falar e entender inglês sem tradução simultânea, me aposentar, viver com alegria minha nova carreira, viajar, me alimentar melhor, meditar todos os dias, fazer atividade física prazerosa fora da academia que não é minha praia, continuar evoluindo intelectualmente, etc, etc, etc e sei por experiência que quando temos um modelo a seguir, quando fazemos as coisas em grupo, parece que fica mais fácil, pois se as outras pessoas conseguem a gente também consegue e quando uma desanima as outras puxam pra cima, entendem?

Estou com a ideia de criar um blog facilitando este contato mais próximo com as mulheres que tiverem interesses parecidos com os meus. Eu eliminei 25 quilos em poucos meses no último ano, sem cirurgia, sem remédios, sei dicas que já usei e vou usar de novo e podem fazer a diferença para a dieta delas. Com meus conhecimentos como psicóloga e mastercoach, práticas do coaching, da PNL, neurociência e psicologia positiva que aplico no meu dia a dia, talvez possa ajudá-las com o comprometimento e realização das metas delas também. Enfim, queria a opinião de vocês. Será que vale a pena eu criar este blog e vocês mulheres+50 poderem acompanhar de perto meu dia a dia, minha transformação na minha Melhor Versão?

Por outro lado confesso que ter que me expor, mostrar minha realidade como um reality show no blog, se estou realmente conseguindo atingir minhas metas de modo tão transparente chega a ser meio assustador e preocupante, mas se for colaborar com muitas mulheres, eu juro que vou pensar mais no bem do coletivo do que no meus receios de ser julgada.

Então para que eu decida preciso por favor me ajude me mandando um e.mail falando se eu criar este blog vou poder lhe ajudar e se conhece outras mulheres a quem eu possa ser útil com as informações do que estou aplicando na minha própria vida. Pode fazer isso por mim? Se sim: bettemaria@coachingmais50.com.br

Agora coloco abaixo a metáfora da águia, que para mim foi um poderoso exercício e fico no aguardo do seu e.mail para saber se aceita o convite de fazer junto comigo sua própria transformação para a melhor versão de si mesma, ok?

MENSAGEM DE REFLEXÃO: A ÁGUIA E A RENOVAÇÃO –  A águia é a ave que possui a maior longevidade da espécie. Chega a viver  70 anos. Mas, para chegar a essa idade, aos 40 anos ela tem que tomar uma séria  e difícil decisão. Aos 40 anos está com as unhas compridas e flexíveis, não consegue mais agarrar as suas presas das quais se alimenta. O bico alongado e pontiagudo se curva. Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas em função da  grossura das penas, e voar já é tão difícil! Então, a águia só tem duas alternativas: morrer… ou… enfrentar um dolorido processo de renovação que irá  durar 150 dias. Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar. Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em  uma parede até conseguir arrancá-lo, sem contar a dor que irá ter que  suportar. Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois  arrancar as suas velhas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer,  ela passa a arrancar as velhas penas. E só após cinco meses sai para o famoso voo de renovação e para viver  então mais 30 anos. Em nossa vida, muitas vezes, temos de nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação. Para que continuemos a voar um voo de vitória, devemos nos desprender de lembranças, costumes, e, outras tradições que nos causam dor. Somente livres do peso do passado, poderemos aproveitar o resultado  valioso que uma renovação sempre traz.

Se sua resposta for sim por favor me envie um e.mail e estaremos juntas a partir de 04.01.16, tá? bettemaria@coachingmais50.com.br

Com carinho, Bette Maria

Category: Mulheres+50

8 truques surpreendentes para emagrecer sem pensar

Posted on by 0 comment image

8 truques surpreendentes para emagrecer sem pensar

  • Crédito: ThinkstockEmagrecer pode não ser tão difícil quanto parece; veja oito dicas

Emagrecer de maneira fácil e sem precisar mergulhar em dietas super restritivas seria o sonho de qualquer um. E, segundo Brian Wansink, diretor do Laboratório de Alimentos da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, perder peso ‘sem pensar’ é algo possível.

Para isso, seriam necessárias apenas algumas mudanças nos hábitos diários que nos ajudariam a comer menos. As recomendações são baseadas nos estudos de Wansink e sua equipe, publicadas no livro “Slim by Design”.

O especialista acredita que nossas vidas são muito ocupadas e que temos pouca força de vontade para conseguir perder peso por um esforço consciente e contínuo.

A melhor solução, portanto, é incorporar uma série de mudanças que nos façam comer menos sem esforço. A BBC apresenta aqui alguns truques para conseguir isso.

 

1- Sirva seu prato direto no fogão, longe da mesa.

Este pequeno truque te ajudará a comer cerca de 19% a menos de comida por dia – a mudança é maior nos homens.

O motivo, segundo o pesquisador, é que se a comida fica na mesa, é provável que alguma das pessoas que está comendo repita o prato – em geral, a que terminar primeiro.

2- Guarde os cereais no armário e coloque os mais saudáveis à frente

Uma pessoa que mantém os cereais à vista pesa, em média, cerca de 9,5kg a mais do que as que não fazem isso.

“O engraçado é que, no caso de bolachas ou doces, a diferença não chega a ser tão grande”, explica Wansink.

null
Guardar os cereais no armário pode ajudar você a não recorrer a eles com tanta frequência

Isso ocorre porque muitas vezes as pessoas sabem que estes produtos não são muito saudáveis e tendem a limitar o seu consumo. No entanto, cereais geralmente são percebidos como um produto saudável e, portanto, não haveria motivos para escondê-los.

3- Coloque as frutas e verduras na parte mais visível da geladeira

Esse hábito te ajudará a comer três vezes mais esse tipo de alimento. A ideia é deixar as coisas mais calóricas nas partes mais baixas da geladeira, que são menos visíveis, para ter menos vontade.

4- Se for beber vinho, melhor tinto e em taça pequena

As pessoas costumam se concentrar mais na altura do que na largura na hora de medir a quantidade dos líquidos. Em média, serve-se 12% a menos de vinho em uma taça de vinho branco, que é a menor, do que em uma de vinho tinto.

Além disso, tendemos a beber menos vinho tinto do que branco. O motivo é que a cor da bebida faz com que ela seja mais visível e, por isso, na hora de servir, somos mais conscientes para medir a quantidade.

null
Beber vinho em taças menores ajuda a beber menos

“Bebemos cerca de 10% a menos em média no caso do vinho tinto”, destaca o especialista.

5- Nos restaurantes, procure se sentar perto da porta

As pessoas que se sentam mais longe da porta comem menos salada e têm uma probabilidade 73% maior de pedirem sobremesa.

null
O lugar onde você senta no restaurante também pode influenciar no quanto você vai comer

Caso escolham uma mesa ainda mais para trás, as pessoas podem estar mais próximas da cozinha, onde verão os pratos do restaurante passando com frequência e poderão se sentir ‘tentadas’ a pedi-los.

Wansink acredita também que quem senta perto da porta vê outras pessoas fora do restaurante e isso faz com que se sintam mais conscientes de sua aparência para pedir algo mais saudável.

6- Caminhe por todo o corredor do supermercado

Quando vamos a supermercados, temos uma probabilidade 11% maior de comprar a primeira verdura que vemos em comparação com a terceira.

Por isso, Wansink recomenda que percorramos todo o corredor do supermercado para, assim, ampliarmos a variedade da nossa dieta.

7- Divida o carrinho de compras em duas partes, com as frutas e as verduras na frente e o resto atrás

Isso faz com que você pense mais no que está colocando no carrinho e te levará a comprar 23% mais verduras.

Cerca de 61% de tudo o que compramos está mais ou menos a altura dos olhos.

8- No escritório, guarde os doces em um pote opaco e tampado

Desta maneira, você fará com que elas estejam menos acessíveis. As pessoas que deixam os doces em cima da mesa

Fonte:http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/04/150411_truques_emagrecer_rm

Category: Mulheres+50, Saúde+50

Mulher+50 – Reinvente-se e Transforme-se na sua Melhor Versão!

Posted on by 3 comments image
Amigos, conheçam minha Decisão e mudanças no Coaching+50:
Ficou muito claro para mim no fim de semana passado, durante o evento ao vivo do Erico Rocha, é que minha MISSÃO maior é ajudar MULHERES de +50 anos a se reinventarem-se como eu fiz comigo mesma. Que descobri que meu sentido de vida é ser um agente transformacional de mulheres nesta faixa etária, lhes empoderando, lhes mostrando que elas têm muitas décadas de vida pela frente e que merecem uma vida melhor, onde até os seus mais “escondidos” sonhos e desejos podem e devem ser realizados. Que nunca é tarde e hoje é o dia ideal para começar a Reinvenção de si mesmas.
 
Eu conheço de perto as dores delas; eu já passei e ainda passo por muitos dos “problemas” vivenciados por elas, eu sei o que e como estas mulheres pensam, sei como se sentem, entendo na carne o que é ter vivido diferentes fases da vida, como a menopausa, as mudanças do corpo (cheguei a pesar 90 quilos) e da mente (sofri com depressão, insônia e início de crise do pânico entre outros distúrbios emocionais) trazidas com a idade, a solidão, a saída dos filhos do convívio diário, os receios naturais que chegam junto com o envelhecimento, os medos do desconhecido e do futuro, a decisão de aposentar-se e do que vai fazer depois, aquela “vozinha” terrível nos falando que estamos “velhas” para começar uma vida nova, que devemos ficar acomodadas na vida que temos porque a nossa “zona de conforto” não oferece perigo mesmo que esteja nos trazendo algum tipo de dor(es).
 
Eu cansei da minha antiga versão, dei um basta nestas preocupações, mesmo com medo segui em frente e continuo enfrentando e vencendo.Eu consegui ao longo destes últimos dois anos me Reinventar, me fortalecer e estar bem próxima de ser a melhor versão de mim mesma, sem me comparar com ninguém, pois senão sempre sairia “perdendo” em relação a alguém e nem me afligir de saber que deverei continuar “me melhorando” até o dia de minha morte. Muito pelo contrário, eu sei que a Missão genérica de todos os seres humanos é evoluir. Nada faz me sentir mais feliz do que perceber minha Melhoria Contínua, que é meu Valor maior, adoro ser uma eterna aprendiz e a ideia de me tornar uma pessoa melhor a cada dia e isto envolve ajudar outras pessoas, em especial as Mulheres com mais de 50 anos de idade.
 
Eu sou meu Avatar transformado, sei os caminhos que me foram úteis na minha reinvenção, conheço as técnicas que mais impactam transformação, continuo no caminho e posso recomendar as práticas que me fazem bem, que me dão energia e prazer, que me levantam quando eu caio e não poderia deixar de compartilhar isto tudo e por isso decidi começar um novo projeto: Mulher+50 – Reinvente-se e Transforme-se na sua Melhor Versão!
seja a protagonista da sua vida
 
Neste quase um ano de trabalho com pessoas de mais de 50 anos, consegui enxergar claramente que as mulheres+50 ainda são tratadas de forma muito diferentes, pela sociedade e principalmente por elas mesmas, da forma como são vistos os homens de +50 anos e o modo como eles próprios se enxergam. Por que uma mulher de cabelos brancos evoca imagens de velhice e desleixo, enquanto o mesmo traço num homem pode significar desde sensualidade até poder?
 
Muitas mulheres (inclusive eu mesma) pintam seus cabelos no menor sinal de grisalho e mais do que vaidade, isso está ligado a uma busca de adequar-se a um ideal da beleza jovem. Além disso, está ligado a noções de que as mulheres precisam, bem mais do que os homens, cuidar da aparência e mostrar-se de forma a ressaltar seus atributos físicos. Enquanto elas são julgadas também por sua aparência, homens não são cobrados da mesma forma; William Bonner pode ostentar sem medo toques de grisalho, que por sinal o deixam muito charmoso, mas o mesmo não acontecesse com sua esposa, Fátima Bernardes.
 
Esse estereótipo ligado aos ídolos revela como o nosso imaginário é enviesado em termos de gênero. Na mídia, por exemplo, vemos uma série de figuras masculinas que não escondem seu grisalho, como atores famosos e políticos e galãs de novelas grisalhos, beirando os 60 anos, são escalados para personagens cheios de apelo sexual, apesar de aparentarem o dobro (ou até mais!) do que as mocinhas e símbolos sexuais femininos. As coisas estão se transformando, mas ainda muito lentamente, e todos os dias vemos mulheres bem sucedidas, que apesar do corpo enxuto, das conquistas profissionais e da vitalidade para relações pessoais, ainda são tratadas como “inferiores”, como surdas, mudas ou perdedoras. Mas aos poucos estamos desafiando as expectativas da sociedade e vamos mudar esta situação lastimável. Se somos a maioria em nosso País, em boa parte da população mundial, devemos exercer nossa posição de destaque naquilo que fazemos.
Quero continuar meu Processo, quero compartilhar com as mulheres+50 que se identificam comigo, quero ajudar as mulheres que querem dar um basta na sua vida atual, que precisam mudar, mas não estão conseguindo sozinhas. Quero mostrar a elas que a experiência nos traz poder, que geralmente, somos mais confiantes e felizes do que as mulheres jovens. Quanto mais vemos outras mulheres mais velhas conquistando seus objetivos e sendo reconhecidas pela sociedade, mais temos a coragem de perseguir nossos sonhos. Não podemos ter vergonha de nossas conquistas nem desta fase da vida.
Para as que estão com medo desta nova fase, meu conselho é: seja paciente com você mesma, aceite-se com seus pontos fortes e fracos, entenda que as mudanças podem ser difíceis, mas lhe farão muito bem. Dê a chance a si mesma essa oportunidade após os 50 anos, você está na metade de sua vida e é indescritível a sensação de ter conseguido se reinventar, de assumir o leme da sua vida, de pode dizer não sem ter medo das consequências, de poder viver a vida que escolher, sem temer o julgamento dos outros. Enfim, poder jogar as máscaras, ser verdadeira, independente, autossuficiente e ser finalmente a protagonista da sua história. Ser sua MELHOR VERSÃO!
Bem, Amigas+50 está feito o convite e se quiserem minha ajuda sigam comigo nesta caminhada. Aos homens e mais jovens como disse acima, será um prazer se permanecerem conosco mesmo que minha fala daqui por diante não seja diretamente para vocês, que podem indicar este caminho para as mulheres+50 presentes na vida de vocês.
Em breve teremos uma página exclusiva no face falando deste Projeto.
Aos que quiserem compartilhar suas experiências comigo, tirar dúvidas, dar sugestões ou feedbacks sobre meu trabalho, peço que o façam pelo e.mail do Coaching+50: contato@coachingmais50.com.br
Aos que ainda não conhecem o Coaching+50: www.coachingmais50.com.br
Muito grata pela atenção de vocês,com carinho, Bette Maria
Category: Mulheres+50

Novas idosas um novo perfil para a terceira idade e são mais ativas e vaidosas

Posted on by 1 comment image

 Novas idosas apresentam um novo perfil para a terceira idade e são mais ativas e vaidosas

Aos 66 anos, com quatro filhos e três netas, Helô Pinheiro, a eterna garota de Ipanema, segue carreira de empresária, tem dois programas na TV e não dispensa um tempo para cuidar a aparência.

“Tenho vida sexual ativa, mas atribuo à reposição hormonal. Se não fizesse, talvez não tivesse essa vitalidade sexual que tenho”, diz Helô Pinheiro. “A reposição te dá essa libido, vitalidade. A minha está ótima, graças a Deus”.

 Mãe de uma filha de 50 anos e avó de dois netos, Ligia Azevedo foi casada três vezes. Aos 40 anos, gerou um escândalo ao se casar com um rapaz de 23 anos. O casamento durou cerca de 10 anos.

Ligia Azevedo assume ter feito três plásticas no rosto em um período de 30 anos, seguindo os conselhos de Ivo Pitanguy. “Ele me disse que a mulher depois dos 40 tem que fazer plástica aos poucos, para nunca envelhecer”, diz. “Fiz pequenas cirurgias a cada 10 anos. Por isso, quem não me vê há 30 anos diz que estou igual”.

Quando tinha 38 anos, Vera Melo, hoje com 70, decidiu mudar de vida: deixou de ser dona de casa para trabalhar como secretária e se separou do primeiro marido.

Funcionária do metrô de São Paulo há 24 anos, Vera Melo não esconde os cuidados com a aparência. “Todos os dias, saio às 6h30 com maquiagem e só tiro na hora de dormir. Não admito que uma mulher não tenha brilho”

FONTE: http://mulher.uol.com.br/comportamento/album/2012/05/07/novas-idosas-apresentam-um-novo-perfil-para-a-terceira-idade-e-sao-mais-ativas-e-vaidosas-veja-fotos.htm

Category: Mulheres+50

Mulheres de 60 anos compartilham 60 conselhos com mulheres de 30

Posted on by 3 comments image

Mulheres de 60 anos compartilham 60 conselhos com mulheres de 30

mulher 60 anos

 

Margaret Manning é a fundadora do Sixty e me, uma comunidade para mulheres com mais de 60 anos.

Lá elas se conectam entre si e refletem sobre questões como o propósito e o significado de suas vidas.

A convite da própria Margaret, membros da comunidade enviaram dicas para mulheres com metada da sua idade, ou seja, com 30 anos.

Confira abaixo os 60 conselhos muito verdadeiros e sábios enviados por elas e reflita:

1- Lembre-se de que você tem apenas uma vida; e esta não é um ensaio geral.

2- Tente ser positiva e olhar para o lado bom de cada experiência de vida.

3- Pense sobre o aqui e agora.

4- Viva cada dia de sua vida ao máximo, porque você nunca sabe o que te espera ao virar a esquina.

5- Lembre-se de que a sua vida pode mudar em um instante.

6- Ame todas as fases da sua vida e não tema passar por nenhuma delas, porque todas são mágicas.

7- Aprenda a viver o momento. Se você puder fazer isto enquanto você é jovem, vai ajudar muito quando você tiver 60.

8- A vida é muito curta para se preocupar com algo que vai acontecer no futuro. Viva o hoje.

9- Saia e desfrute da natureza!

10- Encontre um hobby ou um trabalho que faça você experimentar as diferentes sensações de cada fase de sua vida.

11- Seja você mesma. Envelheça com dignidade.

12- Foque no envelhecimento de uma forma positiva; não tente evitá-lo.

13- Aceite as mudanças em seu corpo e na sua mente enquanto você amadurece.

14- Seja sempre honesta com você mesma. A vida é um processo lento de aprendizagem, mas que vale a pena.

15- Preserve suas memórias, mas não seja demasiadamente dura consigo mesma.

16- Virginia Woolf estava certa; uma mulher precisa de espaço para si mesma e US$ 500.

17- Esqueça os estereótipos que a sociedade tem sobre o envelhecimento.

18- Não se preocupe com o envelhecimento. Preocupe-se com o tédio.

19- A idade é apenas um número, ela não define quem você é.

20- O tempo vai passar, goste você disso ou não, portanto comece a viver!

21- Não deixe de inspirar-se.

22- Viva de uma maneira simples e segura. Exercite-se, cultive, leia e viaje.

23- Um visual clássico sempre está na moda.

24- Não desperdice dinheiro em sapatos; os homens não olham para os seus pés.

25- Não encha a sua vida com coisas e pessoas inúteis!

26- Seja você mesma; brilhe. Mostre-se real, esteja consciente e viva em todos os momentos.

27- Não se torne obsessivas com as rugas. Quando elas começarem a aparecer em seu rosto, pense que elas são um mapa de sua vida.

28- Viva com paixão e amor, com os olhos e o coração abertos. Basta ser feliz.

29- Esteja no presente; não se preocupe com o envelhecimento. O melhor ainda está por vir.

30- Aprecie os pequenos prazeres da vida; não a complique ainda mais.

31- Respeite o seu parceiro e seus filhos da mesma forma que você quer que eles te amem e te respeitem.

32- Distribua o seu amor de forma livre e incondicional.

33- Tenha filhos quando quiser tê-los: não há um momento específico para isto.

34- Mostre empatia com você mesma e com aqueles que estão ao seu redor.

35- Tire um monte de fotos, você vai ficar feliz em tê-las quando seus entes queridos não estiverem mais presentes.

36- Aprenda a perdoar desde a juventude.

37- Esqueça a sua raiva, e deixe a gratidão e a alegria serem a sua lei na vida.

38- Tenha um círculo íntimo de amigos. Isso é fundamental!

39- Valorize sua família. Eles vão estar com você quando os outros se afastarem. Irão apoiá-la durante todo o percurso de sua vida.

40- Nunca vá para a cama com raiva de si mesma ou de outra pessoa.

41- Diga ao seu parceiro, aos seus amigos e a sua família que você os ama todos os dias.

42- Aos 30 anos você se torna mulher. Aprecie sua beleza.

43- Não perca tempo se preocupando com coisas que não pode mudar; mude as que puder.

44- Termine um relacionamento ruim o mais cedo possível, você não pode mudar a outra pessoa.

45- Cuide de sua pele! E sorria com frequência.

46- Confie em seus instintos e nunca fale mal de si mesma.

47- Seja gentil com você mesma. Você não deve considerar o que não está sob seu controle. Se alguma coisa faz você se sentir mal, tire-a de sua vida.

48- Aprenda a rir de si mesma. Não seja tão séria!

49- Dedique algum tempo a si mesma todos os dias; ria e sorria o tempo todo.

50- Basta ser você mesma. Não pretenda ser perfeita.

51- Se você tem filhos, ame-os, mas não tente ser uma mãe perfeita.

52- Deixe o seu filho ser o seu próprio mestre.

53- Seja um guerreiro; aprenda a gerar os seus próprios recursos e a ser autossuficiente.

54- Não se guie pelo medo.

55- Não pare de aprender e a exercitar a sua mente, o seu físico e o seu espírito.

56- Mostre-se grato todos os dias, mesmo quando estiver tendo um dia ruim. Há sempre uma lição a aprender.

57- Aceite os aspectos positivos do envelhecimento, como ter menos responsabilidades e mais liberdade.

58- Muitas batalhas são simplificadas com a idade.

59- Não deixe que ninguém lhe diga que você está velho demais para fazer alguma coisa! Ou muito jovem.

60- Não tenha medo. Quando você ficar velha, você vai se sentir bem. A vida e a natureza preparam você para cada fase de sua vida.

Fonte: http://planofeminino.com.br/mulheres-de-60-anos-compartilham-60-conselhos-com-mulheres-de-30/

Venha você também Mulher+50 conhecer o Programa Você+50: De Bem Com a Vida, vamos te mostrar o caminho para reinventar-se e tornar-se a PROTAGONISTA de sua Vida !

Para isso é necessário fazer uma verdadeira faxina mental livrando-se de tudo aquilo que não lhe serve mais e fazendo as pazes com o seu passado: aceitação e perdão a si mesma e aos outros, com mais saúde e alegria de viver. Você vai perder essa chance de ficar de BEM COM A VIDA?

No Encontro do dia 17.10.15 (sábado), das 8h30 às 18h30, vamos lhe ensinar como livrar-se dos seus MEDOS e sentimentos tóxicos em 8 horas e ficar pronto(a) para VIVER a segunda melhor metade da sua vida!

Clique abaixo e saiba mais como se inscrever:
http://vocemais50.coachingmais50.com.br/pagina-inicio

Se tiver dúvida nos telefone: 61 81365949 (TIM) ou nos consulte por e.mail, ok?contato@coachingmais50.com.br

Plástica depois dos 70 e até 80 anos vira moda nos EUA

Posted on by 0 comment image

Plástica depois dos 70 e até 80 anos vira moda nos EUA

Número de pacientes da terceira idade cresce cada vez mais nos consultórios de cirurgia plástica

Aos 83 anos, Marie Kolstad tem uma vida rica. Tem um emprego de período integral e uma vida social ativa, ocupada com 12 netos e 13 bisnetos. Mas havia uma coisa que precisava melhorar, diz ela: seu corpo. Na sua idade, diz Marie, “seus seios vão para um lado e seu cérebro para outro”. Então, há algumas semanas, a viúva californiana se submeteu a uma cirurgia de três horas para levantar e colocar implantes nos seios – operação que custou cerca de 13 mil reais.

“Fisicamente, estou em boa saúde, e sinto que devo tirar vantagem disso”, afirma. “Minha mãe viveu muitos anos, e deduzo que é isso que vai acontecer comigo também. E quero que minhas crianças tenham orgulho de minha aparência”.

Marie é uma das muitas septuagenárias, octogenárias e até nonagenárias que estão lustrando seus anos de ouro com a ajuda de cirurgiões plásticos. De acordo com a Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética, em 2010 houve 84.685 procedimentos cirúrgicos em paciente de 65 anos ou mais. Eles incluem 26.635 lifts de face; 24.783 operações de pálpebra; 6.469 lipoaspirações; 5.874 reduções de seios; 3.875 lifts na testa; 3.339 lifts de seio e 2.414 implantes de seios.

Com exceção de um breve período durante a recessão americana, esses números vêm crescendo de forma consistente há anos, e especialistas dizem que a tendência é que o crescimento acelere agora que os baby boomers estão passando dos 65 e entrando na terceira idade. Mas o crescimento da prática também aumenta a preocupação sobre segurança.

Por quê?
As razões para fazer cirurgia em pacientes mais velhos são tão variadas quanto os próprios pacientes, dizem especialistas. Alguns chegam saudáveis a uma idade mais avançada e querem que seu físico esteja de acordo. Outros buscam novos parceiros. Há os que ainda estão trabalhando ou procurando trabalho, e querem parecer tão jovens quanto seus concorrentes.

E outros estão simplesmente cansados de queixos duplos, braços que balançam e pálpebras caídas.Gilbert Meyer, um produtor aposentado que sobre sua idade revela apenas ser “acima de 75”, procurou um cirurgião plástico no ano passado para operar a pálpebra e o pescoço. “Estava me olhando no espelho e não gostei do que estava começando a ver. Então decidi fazer algo a respeito”, diz Meyer. “Por que não ter a aparência tão boa quanto puder quando puder?”

Mary Graham, uma dona de restaurante de 77 anos, fez um lifting facial e colocou implantes nos seios no começo do ano. “Só vou ao médico para fazer plástica”, diz. Mary planeja abrir um novo restaurante nos próximos meses. “Trabalho sete dias por semana. Quero que minha aparência seja tão jovial quanto me sinto”.

O cirurgião de Mary, Daniel Man, afirma que tem visto um número cada vez maior de pacientes acima dos 70 anos. “Essas pessoas são saudáveis e querem ser uma parte ativa da sociedade”.

Riscos
Qualquer tipo de cirurgia apresenta riscos. Mas são poucos os estudos que focam em pacientes mais velhos que se submetem a cirurgias estéticas. Um deles, publicado em junho, aponta que os riscos na população acima de 65 anos não são maiores do que no resto da população. Pesquisadores da Cleveland Clinic revisaram o histórico médico de 216 pacientes que se submeteram a liftings faciais ao longo de três anos. Eles não encontraram diferenças significativas no número de complicações ao comparar pacientes com idade média de 70ª um grupo com média de 57 anos.

“O que estamos dizendo é que não é a idade cronológica que é tão importante, mas sim os aspectos fisiológicos”, diz James E. Zins, autor do estudo e chefe do departamento de cirurgia plástica da Cleveland Clinic.

Todos os pacientes de seu estudo passaram por testes para diagnosticar problemas de saúde como doenças cardíacas e pulmonares, diabetes e pressão alta, além do uso de medicamentos como anticoagulantes, que poderiam causar complicações. Mas nem todos os pacientes maduros pode ser tão selecionados, então suas descobertas não significam necessariamente que os riscos sejam mínimos entre os pacientes idosos.

“Existe uma idade em que teoricamente as complicações se tornam mais prováveis?”, questiona. “Isso significa que pacientes de 75 anos podem se submeter a um lifting facial com o mesmo risco de complicações dos pacientes mais jovens. Não temos números suficientes para responder a esta questão”.

Liftings faciais podem ser realizados com sedação, mas outros procedimentos precisam de anestesia geral, o que pode ser arriscado em pacientes idosos. Os mais velhos também podem demorar mais a se recuperar, e o resultado pode não durar tanto, diz o cirurgião plástico Michael Niccole.

Críticas
Alguns críticos da tendência questionam se os benefícios são maiores que os riscos, que, por sua vez, podem ser subestimados. Harriet A. Washington, autora de dois livros sobre ética médica, pergunta como pacientes mais velhos podem fazer uma opção consciente quando tão pouco é sabido sobre os riscos, especialmente para aqueles com condições crônicas, como diabetes, osteoporose e problemas cardíacos. “É uma daquelas coisas que começam a se infiltrar entre nós, e acho que, como de hábito, nós aceitamos a tecnologia antes de termos realmente aceitado questões e dimensões éticas”, diz.

E enquanto a maior parte dos estudos indica que as pessoas se beneficiam psicologiamente dos prtocedimentos estéticos, uma minoria passa por alguma “turbulência emocional”, diz David Sarwer, professor de psicologia da University of Pennsylvania School of Medicine.

“Há repercussões psicológicas reais a esses procedimentos, que frequentemente não são descritas no processo de consentimento”, afirma.

Estranheza
Mas, supondo-se que o paciente é saudável, cumpre os pré-requisitos e entende os riscos, por que as pessoas costumam ficar tão melindradas com a idéia de idosos se submetendo a cirurgias plásticas?

Nancy Etcoff, professora-assistente da Harvard Medical School que estuda biologia e crenças sociais sobre beleza, acredita que isso acontece devido aos sentimentos dúbios que nossa cultura tem em relação a idosos à procura de parceiros. “Parte de nosso estereótipo dos idosos é que eles são pessoas sociais, queridas e afetuosas, mas sem força e sem sexo”, afirma. “Estamos na era do Viagra, que é muito bem aceito, mas de repente a ideia de idosos, ou, principalmente, idosas, querendo ser sexualmente atraente em sua idade nos deixa desconfortáveis. Se uma idosa quer recuperar suas pálpebras ou ter seios que ela não precisa esconder sob uma cinta, por que não?”

Marie se perguntou a mesma coisa.

“No meu tempo, ninguém pensava em aumentar os seios nem nada assim”, diz. “Mas hoje em dia as mulheres saem e nunca recebem uma segunda olhada se aparentam sua idade. Acho que você deve manter sua aparência física, mesmo que você só queira uma companhia ou alguém que te convide para jantar. E isso não vai acontecer se você não tiver a aparência que eles querem”.

FONTE: http://delas.ig.com.br/comportamento/plastica+depois+dos+70+e+ate+80+anos+vira+moda+nos+eua/n1597129281985.html

Category: Mulheres+50

Raquel Welch: o visual da estrela aos 73 anos

Posted on by 0 comment image

Raquel Welch: o visual da estrela aos 73 anos

A festa era para ser de Angelina Jolie, mas os holofotes se voltaram para Raquel Welch. Na quinta edição do Governors Awards, prêmios concedidos pela Academy of Motion Picture Arts and Sciences, em Los Angeles, Angelina chegou num longo Versace preto, acompanhado do maridão, Brad Pitt, e do filho Maddox. A atriz recebeu, no sábado, o troféu humanitário Jean Hersholt, por seu trabalho junto aos refugiados de guerra e pela defesa dos direitos humanos.

Mas, no tapete vermelho, quem chamou a atenção foi Raquel Welch. Num longo vermelho que deixava os contornos de seu corpão à mostra, a veterana de 73 anos ofuscou as mais “novinhas”. Lembrada por seus papéis nas décadas de 60 e 70, como em Viagem FantásticaOs Três Mosqueteiros, Raquel há muitos anos não consegue um bom personagem no cinema e, nos últimos tempos, tem aparecido em seriados de TV.

raquel-welch

raquel-welch-

 

FONTE: http://vejasp.abril.com.br/blogs/miguel-barbieri/2013/11/20/raquel-welch-angelina-jolie-premios-tapete-vermelho/

Category: Mulheres+50

Menopausa X Andropausa

Posted on by 0 comment image

 

Menopausa X Andropausa

andropausa e menopausa_coachingmais50.com.br

 

FONTE:http://www.saudemedicina.com/andropausa-mal-que-atinge-os-homens/

Category: Homens+50, Mulheres+50

Menopausa – Aspectos Psicológicos – Dr. Drauzio entrevista o psiquiatra Joel Rennó Jr.

Posted on by 1 comment image

                                 Menopausa – Aspectos Psicológicos – Dr. Drauzio entrevista o psiquiatra Joel Rennó Jr.

Joel Rennó Jr. é médico psiquiatra. Coordena o Pró-Mulher, um programa de atenção à saúde psicológica da mulher desenvolvido no Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade São Paulo

 A menopausa é uma fase crítica na vida da mulher, uma fase psicológica delicada em que alterações nítidas de comportamento podem ocorrer. Mulheres que já passaram por essa experiência e as pessoas que conviveram com elas são unânimes em reconhecer determinados sintomas, entre eles, a depressão e a labilidade emocional. Mesmo aquelas que manifestam pequenas alterações comportamentais, queixam-se da mudança aparentemente sem causa do humor ou da vontade de chorar que inexplicavelmente as invade de uma hora para outra.

É um fase perigosa que exige atenção porque, em alguns casos, transtornos psiquiátricos sérios podem acometer algumas mulheres. Todavia, muito do que se fala a respeito desse tema não passa de mitos criados pelo ideário popular. Desde que convenientemente assistida, a mulher menopausada pode gozar de excelente qualidade de vida.

CARACTERÍSTICAS DO CLIMATÉRIO

Drauzio – Quais as alterações psicológicas mais comumente encontradas nas mulheres quando chegam perto da menopausa?

José Rennó Jr. – É importante que as pessoas saibam as diferenças entre as diversas fases desse período denominado genericamente de menopausa. Na realidade, o climatério começa por volta dos 41 anos de idade, estende-se até mais ou menos os 65 anos e é marcado por pequenas alterações físicas e psicológicas. Dentro dessa grande margem de tempo, ocorre a menopausa, isto é, a data em que aconteceu a última menstruação e que só pode ser determinada retrospectivamente depois que a mulher passou pelo menos um ano em amenorreia (sem menstruar).

Antecedendo o episódio da menopausa, temos a perimenopausa, período em que há alterações hormonais importantes, especialmente nos níveis de estrogênio e progesterona. Nessa fase, a vulnerabilidade feminina é maior aos sintomas físicos e psíquicos. Entre os físicos destacam-se os fogachos (ondas de calor intenso) e, entre os psíquicos, tristeza, desânimo, irritabilidade e labilidade emocional, ou seja, grande flutuação do humor. Muitas se queixam, ainda, de insônia e alterações da memória. Por isso, é fundamental determinar se a mulher se encontra na perimenopausa ou na pós-menopausa, fase em que os transtornos psiquiátricos são menos prevalentes.

Quando se fala em menopausa, é preciso deixar bem claro que diversos fatores influenciam o desenrolar do processo. Não é apenas uma questão hormonal. Há fatores psicossociais preponderantes quer marcam esse período e podem estar na gênese dos transtornos psíquicos.

Por exemplo, a mulher que tinha uma vida socialmente ativa e se dedicou plenamente à família e à educação dos filhos, de repente se depara com os filhos crescidos, saindo de casa, e vive a síndrome do ninho vazio. Além disso, a relação conjugal pode estar passando por transformações que exigem diálogo para reconstruí-la em novos moldes. Dependendo de seu arcabouço psicológico, recursos internos e personalidade, essa mulher irá elaborar de forma construtiva ou não as modificações que estão ocorrendo em sua vida na época da menopausa.

ALTERAÇÕES DA PERIMENOPAUSA

Drauzio – Do ponto de vista sexual, quais são as principais alterações que ocorrem na fase de perimenopausa?

José Rennó Jr. – As principais queixas são dispareunia, ou seja, dor na relação sexual, e a diminuição da libido. A dispareunia ocorre porque o epitélio torna-se mais fino e menos lubrificado pela falta de estrogênio. A vagina mais seca pode dificultar a relação. No que se refere à falta de desejo, muitas vezes, o que gera ansiedade é a comparação com o que a mulher sentia no passado. Deve-se considerar, também, de que nessa faixa etária o homem pode apresentar um distúrbio ou disfunção sexual que afeta a companheira. Por isso, é tão importante examinar os aspectos biológicos e hormonais femininos quanto os de sua relação familiar e conjugal.

Drauzio – Você deixou claro que as alterações psicológicas estão diretamente ligadas à história de vida de cada mulher e por isso variam muito.

José Rennó Jr. – Em psiquiatria e psicologia, é muito importante ter um follow-up, levantar um histórico preciso da vida da pessoa. Por exemplo, há mulheres que mudam drasticamente de comportamento e atitudes, como se tivessem mudado de personalidade. A pessoa alegre e extrovertida de antes, que elaborava de forma construtiva suas frustrações perante a vida, transforma-se noutra, cabisbaixa, pessimista e irritável, queixando-se de angústia com frequência. O marido observa que ela está de pavio curto, estourando por motivos banais.

Por isso, em saúde mental, nunca se pode considerar um corte transversal na vida da mulher. É preciso levantar um histórico para avaliar o que mudou nas relações e interações com ela mesma e com as pessoas de seu convívio familiar e social.

Nessa fase, as queixas de perda de memória são muito importantes. ”Doutor, tenho que anotar tudo. Não me lembro mais das datas dos aniversários, e esqueço o número dos telefones de pessoas para as quais ligo costumeiramente.” Muitas temem estar desenvolvendo um quadro demencial e procuram neurologistas e psiquiatras, queixando-se dessas alterações de memória. A queda na produção de hormônios também se reflete no padrão de sono, que pode melhorar com a terapia de reposição hormonal (TRH).

Drauzio – Nessa fase, quais são as alterações mais comuns na arquitetura do sono?

José Rennó Jr. – As alterações mais comuns envolvem insônia inicial (a mulher deita e não dorme) e o despertar precoce, ou seja, em vez de acordar no seu horário habitual, ela acorda de madrugada e isso, sem dúvida, prejudica a qualidade de sua vida.

Hoje, quando se fala em reposição hormonal, sempre se tem em consideração a qualidade de vida da mulher, que pressupõe saúde física e mental na menopausa. Essas questões nunca estão dissociadas. Ao contrário, estão sempre totalmente integradas.

ESTUDO SOBRE A AÇÃO DO ESTROGÊNIO

DrauzioVocê é um estudioso dos aspectos psicológicos relacionados com a reposição hormonal. O que revelou esse estudo que você realizou?

José Rennó Jr. – Foi um estudo randomizado, duplo-cego e controlado com placebo. As mulheres foram escolhidas de forma aleatória em clínicas ginecológicas e nem o médico nem a paciente sabiam quem tomava remédio, um tipo de estrogênio normalmente indicado pelos ginecologistas, e quem tomava um comprimido inerte, uma pílula de farinha conhecida como placebo. Essas mulheres tinham entre 45 e 56 anos de idade e estavam todas na pós-menopausa. Na verdade, eram histerectomizadas, isto é, não tinham útero. Recusamos pacientes com quadros depressivos, porque o mais comum é encontrar, nessa fase, sintomas de depressão, ansiedade e perda de memória.

Essas mulheres foram acompanhadas durante seis meses, passaram por ampla bateria de exames na área ginecológica e psiquiátrica, por escalas de humor e por testes de memória.
Por que escolhemos mulheres histerectomizadas, portanto na pós-menopausa? Porque não tinham a interferência da progesterona que geralmente provoca um quadro parecido com a disforia pré-menstrual, caracterizado por tristeza, desânimo, irritabilidade, alterações do apetite, ou seja, a progesterona pode interferir negativamente no humor da mulher. Era uma população de mulheres oligossintomáticas, ou seja, com poucos sintomas, e perfil que não desse margem a um viés capaz de interferir nas conclusões da pesquisa.

Grande parte dos estudos com mulheres na menopausa é um verdadeiro balaio de gatos. Envolvem mulheres na perimenopausa e na pós-menopausa o que dificulta saber se o tratamento é fidedigno para um grupo específico. Muitas vezes, os sintomas psíquicos melhoram em decorrência da melhora dos sintomas físicos. Logicamente, o humor da mulher melhora se desaparecem, por exemplo, os fogachos intensos e o suor abundante.

O objetivo da nossa pesquisa era ver se realmente o estrogênio tinha uma ação direta sobre a melhora do humor e da memória. Há modelos experimentais que mostram que esse hormônio tem ação definida no sistema nervoso central, uma vez que altera a secreção de uma série de substâncias químicas conhecidas como neurotransmissores (entre eles a serotonina e a noradrenalina) que fazem a conexão entre as células nervosas. Nosso estudo não evidenciou diferenças no humor dos dois grupos, quer seus componentes tenham tomado pílula de farinha ou a droga ativa.

ASPECTOS PSICOLÓGICOS E REPOSIÇÃO HORMONAL

Drauzio – Qual seria o perfil da ação do estrogênio no sistema nervoso central e que repercussão provoca no comportamento?

José Rennó Jr. – Mulheres mais sintomáticas, que iniciam a reposição hormonal precocemente, costumam ter melhora dos sintomas com a reposição hormonal. No entanto, em medicina, não se pode ser reducionista. Às vezes, as pessoas concluem apressadamente que a reposição hormonal traz ou não benefício à vida da mulher. Não podemos nos esquecer, porém, de que existem vários tipos de reposição hormonal, várias dosagens e vias de administração. Não é um tratamento único o que obriga determinar em que grupo de mulheres a reposição funciona e em que grupos deixa de funcionar. Mulheres na perimenopausa ou na pós-menopausa? Com poucos sintomas ou com transtornos psiquiátricos? Que tipo de hormônio foi utilizado? Que tipo de progesterona?

O estudo do WHI (Women Health Initiative) causou celeuma, mas se resumiu a avaliar a aplicação do acetato de medroxiprogesterona e estrogênio equino-conjugado. Não sou contra nem a favor à terapia de reposição hormonal. Visando sempre à qualidade de vida da mulher nessa fase, acredito, porém, ser válido prescrevê-la, desde que a indicação seja precisa e os riscos pequenos e controláveis.

Drauzio – No seu ponto de vista, se fosse possível isolar apenas o quadro psicológico, que sintomas indicariam a necessidade de reposição hormonal?

José Rennó Jr. – Vou exemplificar com um quadro clínico para deixar mais claro. Se recebo uma mulher entre 41 e 51 anos de idade, na perimenopausa, com fenômenos psíquicos e mudanças comportamentais relatadas por ela e pela família, uma mulher que nunca teve depressão, mas apresenta alterações de memória, labilidade de humor, tristeza e desânimo, diante desses sintomas e se não houver qualquer tipo de contra-indicação, a terapia de reposição hormonal pode ter efeito benéfico no humor. Existem trabalhos científicos sérios que comprovam a ação estrogênica nos sintomas depressivos dessas mulheres.

Na pós-menopausa, porém, se a mulher nunca fez reposição hormonal profilática com o fim específico de melhorar o humor e a memória, é questionável a ação estrogênica em termos de sistema nervoso central. Por isso, é importante avaliar o nível sintomatológico da paciente, as alterações comportamentais e o período de vida em que se encontra. Acredito que, dado precocemente, o estrogênio previna alterações da memória, embora alguns trabalhos evidenciem o contrário. Em relação à doença de Alzheimer, especialistas no assunto levantaram a hipótese dos benefícios da utilização desse hormônio, mas os resultados positivos do estrogênio na prevenção e diminuição de alguns sintomas não foram comprovados.

Essa é uma área contraditória. De qualquer forma, acredito que a reposição hormonal seja válida para um grupo específico de pacientes visando à melhora da qualidade de vida.

Drauzio – A menopausa não é o único período crítico na vida das mulheres. Elas atravessam fases em que estão mais vulneráveis a alterações psicológicas. Que fases são essas?

José Rennó Jr. – São os períodos em que há mais oscilações hormonais. Explicitando melhor: nos períodos em que há variações importantes nos níveis dos hormônios, há maior vulnerabilidade a transtornos psíquicos de forma geral, sejam eles depressivos ou ansiosos. Isso inclui os períodos pós-parto, pré-menstrual, perimenopausa e pode estender-se até um ano após a menopausa.

Está comprovado cientificamente que mulheres com antecedentes de depressão pós-parto e de TPM (tensão pré-menstrual) são mais suscetíveis à manifestação de problemas psicológicos na perimenopausa. Elas são mais sintomáticas nessa fase.

Outro aspecto interessante foi levantado por um trabalho realizado em Harvard, segundo o qual tanto sintomas psíquicos podem levar às alterações hormonais, como o contrário, alterações hormonais importantes podem provocar distúrbios psíquicos.

MITOS E PRECONCEITOS

Drauzio – Quais os principais mitos que cercam a mulher na menopausa?

José Rennó Jr. – Por questões de ordem cultural, nas sociedades orientais, onde a mulher é respeitada e a expectativa de envelhecer encarada de forma positiva, os sintomas tanto físicos quanto psíquicos da menopausa são menos intensos.

Infelizmente, nas culturas ocidentais, a realidade é outra. Há um grande “pré-conceito” em relação às mulheres nesse período. Simbolicamente, existe o mito de que a mulher na pós-menopausa seria uma lua minguante, enquanto na fase reprodutiva seria uma lua cheia.

Trata-se de um ‘pré-conceito” absolutamente infundado. A mulher na pós-menopausa pode contar com recursos médicos que garantem qualidade de vida em todas as suas funções, inclusive na sexualidade. O primeiro passo, portanto, é lutar contra o estigma e o preconceito vigente. Para tanto, abordamos o marido e os filhos dessas mulheres, pois as relações familiares pesam muito na gênese das alterações comportamentais da menopausa.

MUDANÇAS NO ESTILO DE VIDA

Drauzio – Quanto ao estilo de vida, o que recomendar a essas mulheres que chegam aos 40 anos e podem viver problemas um pouco mais sérios?

José Rennó Jr. – A mudança de hábitos de vida é fundamental. Isso envolve mudanças comportamentais. Ela precisa dedicar-se a atividades que lhe deem prazer, resgatem sua autoestima e a estimulem mentalmente. É importante aceitar novos desafios, como um curso de informática, se nunca mexeu com computadores, frequentar uma faculdade de terceira idade para ampliar os horizontes, resgatar o convívio com os amigos e rever o tipo de relacionamento e vínculo estabelecido com as pessoas da família.

Atividade física é fundamental. Além de prevenir a osteoporose, está provado que melhora o humor e a memória. O exercício físico não só aumenta a secreção de endorfinas, opioides endógenos que funcionam como analgésicos naturais, mas também aumenta a secreção de serotonina, um hormônio neurotransmissor que interfere positivamente no estado afetivo da mulher.

São recomendáveis também algumas mudanças na dieta, porque nesse período há alterações do metabolismo. Muitas mulheres acham que engordam porque estão fazendo reposição hormonal, outro mito. Na realidade, nessa faixa etária, a mesma ingesta calórica dos anos anteriores produz sobrepeso por causa da redução da atividade metabólica e não por causa dos hormônios. A Sociedade Brasileira do Climatério desenvolveu um programa nutricional eficiente que ajuda mulheres menopausadas a controlar o peso. Vale a pena conhecê-lo.

Drauzio – Se continuar comendo a mesma coisa, ela vai engordar, não é?

José Rennó Jr. – É justamente o que acontece. Por isso, deve-se trabalhar tanto os aspectos psicológicos quanto os físicos, que interferem nos psicológicos. Dietas, mudanças de comportamento, conscientização da família, enfim, é necessário fazer uma abordagem abrangente, no sentido de focalizar todo o contexto de vida da mulher. Cabe ao médico, seja ele ginecologista, psiquiatra, clínico geral, ter essa visão multidisciplinar da gênese dos transtornos de humor e memória no período da menopausa.

PRÓ-MULHER

Drauzio – Você coordena o Pró-Mulher, um programa de atenção à saúde da mulher, no Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo. As mulheres podem procurar esse serviço?

José Rennó Jr. – Elas podem ligar para nossa sede dentro do Hospital das Clínicas e se inscreverem para participar do processo de triagem. É um serviço público gratuito que atende pelo telefone (11) 3069-6975.

Muitas mulheres dizem que têm TPM ou transtornos psíquicos específicos da menopausa e o histórico mostra o contrário. Há mulheres com quadros depressivos leves, outras com transtornos alimentares que pioram no período pré-menstrual e as que têm reincidência de quadros depressivos na pós-menopausa sem ser um quadro especifico desse período. O Pró-Mulher se propõe esclarecer o diagnóstico de cada caso e encaminhar o tratamento.

FONTE:http://drauziovarella.com.br/mulher-2/menopausa-aspectos-psicologicos/

Category: Mulheres+50